n° 43 – Ano XV – Setembro de 2017  →   VOLTAR

Os novos sócios da ABCA

Na última assembleia do dia 2 de outubro, foram aprovados os novos críticos de arte que passam a compor o quadro de sócios da Associação Brasileira de Críticos de Arte. A seleção consistiu em um processo conduzido pela Comissão de Credenciais que considerou o percurso profissional dos candidatos na área da crítica de arte, como também analisou as publicações enviadas para avaliação.

Os critérios envolveram, sobretudo, a análise atenta da produção crítica na área de crítica das Artes Plásticas e o teor analítico reflexivo dos textos críticos. A Comissão procurou selecionar candidatos que apresentassem uma expressiva produção na área das artes e que tivessem um compromisso com a pesquisa do fenômeno artístico a partir dos eixos relacionados à História da Arte, criação artística, circulação das artes e seus circuitos, como também questões e problemáticas relacionadas à prática da curadoria e políticas museais.

A diretoria da ABCA gostaria de manifestar sua satisfação em receber novos membros, que colaborarão para a divulgação das artes em nossos circuitos institucionais, acadêmicos e jornalísticos. Para nossa instituição é um privilégio poder contar com mais profissionais engajados na reflexão sobre o fenômeno artístico e seus desdobramentos intelectuais e sociais.

A seguir apresentamos um breve currículo dos novos membros aprovados que passam a fazer parte da ABCA em 2017:

Betina Rupp:

Docente no Curso de Licenciatura em Artes Visuais, Departamento de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (DEART – UFRN). Doutora em História, Teoria e Crítica de Arte no Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Possui bacharelado em Comunicação Social e formação em Artes Visuais. É autora de capítulo no livro As novas regras do jogo: o sistema de arte no Brasil, com organização de Maria Amelia Bulhões. Foi editora da Revista-Valise, publicação discente direcionada aos cursos de pós-graduação, de 2012 a 2017, e realizou diversas exposições enquanto curadora, entre elas pode-se citar Inspire…então expire (2016), que apresenta a produção de Glaucis de Morais.

 

Bruno Albertim:

É Jornalista e mestre pela Universidade Federal de Pernambuco. Atua na redação do Jornal do Comercio, do Recife, e colabora para publicações como Continente Multicultural, Pernambuco – Jornal Literário, Folha de São Paulo, Próxima Viagem, Prazeres da Mesa, Gosto, entre outras. Como documentarista, dirigiu, dentre outros, o filme “Que coisa é essa?”, sobre a trajetória de César Santos, considerado o chef-síntese da gastronomia contemporânea de Pernambuco.

Pesquisador e etnógrafo é autor da pesquisa “Nordeste, uma identidade comestível”, sobre as relações simbólicas entre comida e identidade na região. Publicada sob a forma de reportagens pelo Jornal do Comercio no final de 2013, a pesquisa foi premiada com o Prêmio Esso. Albertim é também autor de Uma mulher em três tempos, onde apresenta a biografia da artista Tereza Costa Rêgo. Na área de artes visuais, tem se destacado, sobretudo, na produção de fortuna crítica sobre a arte moderna e contemporânea do Nordeste.

 

Eduardo Veras:

Foto: Carlos Ferrari

Crítico e historiador da arte, atuando também como curador independente. Professor Adjunto do Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), ministra aulas e orienta pesquisas no Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais e no Bacharelado em História da Arte. Dedica-se principalmente aos seguintes temas: historiografia e crítica de arte, relações entre palavra e imagem, entrevistas com artistas. Na UFRGS, desenvolve o projeto de pesquisa Artistas Viajantes: Itinerários entre a Tradição e a Contemporaneidade. Trabalhou como jornalista até 2010, tendo editado, entre 1999 e 2007, o caderno Cultura, do jornal Zero Hora. É membro do Comitê Brasileiro de História da Arte e do Conselho Deliberativo da Fundação Vera Chaves Barcellos.

 

John Fletcher:

Doutor em Antropologia pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal do Pará (PPGA/ UFPA) e mestre em Artes pelo Programa de Pós-Graduação em Artes/UFPA. Possui pesquisas que envolvem Arte Contemporânea nas Amazônias (paraense e colombiana), com ênfase nos seus distintos contextos urbanos; Antropologia Visual, Teoria Antropológica e Crítica de Arte, todas dentro de uma abordagem Pós-Colonial e / ou Decolonial. Tem experiência em curadoria independente na cidade de Belém e produção visual no campo da fotografia e do vídeo arte. Atualmente, atua como docente na Universidade Federal do Pará, vinculado à Faculdade de Artes Visuais.

 

Juliana Crispe:

Foto: Sérgio Vignes

Natural de Florianópolis, Santa Catarina. Curadora, pesquisadora, professora, arte-educadora e artista visual. Possui formação em Bacharelado em Artes Plásticas, Licenciatura em Artes Visuais, ambas pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Mestre em Artes Visuais pelo PPGAV/UDESC. Doutora em Educação pelo Programa de Pós=Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina.

Atua como professora colaboradora no curso de Artes Visuais no Centro de Artes da Universidade do Estado de Santa Catarina. Coordena o Espaço Cultural Armazém – Coletivo Elza em Florianópolis; um coletivo de mulheres com o objetivo de promover arte, cultura, publicações de artistas, educação, infância e empoderamento feminino.

 

Marcio Doctors:

Inicia seu percurso profissional nos anos 70 como assistente de Mario Pedrosa. Nos anos 1980/90 escreve para diversas publicações de arte, como jornal O Globo, revistas ISTOÉ, Módulo, Colóquio/Artes, (Portugal), Lapiz (Espanha), dentre outras. Graduou-se em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 1981 e, em 1989, concluiu o mestrado em Estética pela mesma universidade. Pelo seu envolvimento com Casas-Museus, foi representante, da América Latina, no Comitê Internacional ICOM/Demhist, de 2002 até 2008. Em 2004, criou o Projeto Respiração, convidando artistas a intervir junto ao acervo clássico da Casa-Museu Eva Klabin. Atualmente é membro do CIMAM – Comitê Internacional de Museus e Coleções de Arte Moderna.

 

Marta Mestre:

Trabalha há mais de dez anos em curadoria, edição, crítica, docência, entre outros, em Portugal e no Brasil. Licenciada em História da Arte e com mestrado em Cultura e Comunicação, foi curadora do Instituto Inhotim, Minas Gerais (2016-2017), curadora-assistente do Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro (2010-2015), curadora-convidada da Escola de Artes Visuais Parque Lage, Rio de Janeiro, 2016. Regularmente escreve ensaios para instituições e museus e participa de júris de premiação em artes visuais. Em Portugal, é colaboradora da editora “Imago” (dir. J.F.Figueira e Vítor Silva), da plataforma digital “Buala” (dir. Marta Lança) e foi curadora do Centro de Artes de Sines (2005-2008). Tem realizado, individual ou coletivamente, vários projetos, maioritariamente em instituições públicas, e com ênfase na pesquisa de “contra-narrativas” e arquivos de artistas.

 

Mauro Trindade:

Professor adjunto de História e Teoria da Arte no Instituto de Artes da UERJ. Foi professor na Escola de Belas Artes da UFRJ, Estácio de Sá, Veiga de Almeida e nas pós-graduações da Uniflu, Angel Vianna e da Escola de Comunicação da UERJ. Como curador, realizou exposições em diversos espaços públicos e galerias, como Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, Caixa Cultural, Centro Cultural Laurinda Santos Lobo, Parque das Ruínas, Centro Cultural Justiça Federal e Palacete das Artes/Museu Rodin, na Bahia, além das galerias Movimento e Anita Malfatti. Foi colunista e crítico de música de concerto no Jornal do Brasil, chefe de redação da revista Manchete, chefe da sucursal da Revista Bravo! e colunista da revista História Viva,  de Belas Artes da Universidade de Lisboa) e Santa Art Magazine.  Publicou os livros Wolney Teixeira: O sal da terra e Bidu Sayão: Uma biografia.

 

Michele Sommer:

É pesquisadora e curadora em artes visuais. Concluiu seu doutorado em História, Teoria e Crítica de Arte em 2016 no Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGAV-UFRGS) com estágio doutoral na University of the Arts London / Central Saint Martins em estudos expositivos. É mestre em planejamento urbano e regional na área de cidade, cultura e política e arquiteta e urbanista. É autora dos livros Práticas Contemporâneas do Mover-se (2015) e Territorialidade Negra: a herança africana em Porto Alegre, uma abordagem sócio-espacial (2011). Em 2017, foi co-curadora da exposição ‘Mário Pedrosa: de la naturaleza afectiva de la forma’, no Museu Reina Sofia / Madrid. Atualmente é integrante do corpo docente da Escola de Artes Visuais do Parque Lage e pós-doutoranda em na EBA-PPGAV-UFRJ.

 

Neusa Mendes:

Licenciatura em Artes Plásticas e especialista em História da Pintura no Século XX na Universidade Federal do Espírito Santo. Mestre em Comunicação e semiótica Pontifícia Universidade Católica (SP), Bolsa Vitae/1998. Atua na área de gestão cultural, patrimônio, museu e curadoria com ênfase em projetos institucionais desde 1980. Secretária de Cultura do Estado do Espírito Santo 2003/07. Recebeu a Comenda de Integração Simon Bolívar, representando a América Latina, 2015; prêmio “Cultura Viva” Minc, 2004, prêmio Arte e Patrimônio, 2009. Foi curadora do programa de residência artística “Mas que arte cabe numa cidade?”, Viana ES. 2010/13. Integrou a comissão de seleção do programa Exhibition Franchise apexart, NY 2015/17. Atualmente é coordenadora de Artes Plásticas Secult/UFES.

 

Regina Teixeira:

Curadora e historiadora da arte especializada em arte moderna. Entre 2002 e 2016 foi professora no curso de Artes Plásticas da Faculdade Santa Marcelina. Entre 2003 e 2015 foi curadora da Pinacoteca do Estado de São Paulo, onde realizou diversas exposições, entre as quais Tarsila viajante (Pinacoteca e Malba, Buenos Aires, 2008), Willys de Castro (2012), Arte no Brasil: uma história do Modernismo (2013) e Arte Construtiva na Pinacoteca (2014). Recentemente foi curadora da mostra Anita Malfatti: 100 anos de arte moderna (Museu de Arte Moderna de São Paulo, 2017) e Modernismo brasileiro na Coleção da Fundação Edson Queiroz (Museu Coleção Berardo, Centro Cultural de Belém, Lisboa). É membro do Conselho do Liceu de Artes e Ofícios e do Instituto de Arte Contemporânea, ambos em São Paulo.

 

Robson Xavier da Costa:

Artista visual, professor/pesquisador e curador. Pós – Doutorando pelo Programa de Programa de Pós-Graduação em Estética e História da Arte da Universidade de São Paulo PGEHA/MAC/USP, doutor em Arquitetura e Urbanismo (Universidade Federal do Rio Grande do Norte/ Universidade do Minho, Portugal), Mestre em História pela Universidade Federal do Paraíba (UFPN), licenciado em Educação Artística – Artes Plásticas (UFPB). Professor/pesquisador do Departamento de Artes Visuais e coordenador do Programa Associado de Pós-Graduação em Artes Visuais da UFPB, ex-Coordenador da Pinacoteca UFPB. Pesquisa temas relacionados a Arte e Arquitetura Contemporâneas, Museologia, Curadorias, Mediação Cultural, Estudos de Públicos em Museus e Educação Inclusiva em Artes Visuais.

 

Silvia Miranda Meira:

Especialista em pesquisa de apoio a museus do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo na área de História da Arte e Conservação Preventiva junto ao acervo. Conservadora do Patrimônio pela École Nationale du Patrimoine – Ministério da Cultura Francês, Paris, França em (1992-1994) / Doutorado em Historia da Arte no Século XX pela Universidade Paris IV / Sorbonne (1993). Livre Docente pela ECA/ USP (2008) – Membro do Comitê Brasileiro de Historia da Arte e Coordenadora da Escola do Museu de Arte de São Paulo, entre 1994 a 2010. Ministra cursos em programas de Pós-Graduação na ECA/USP, desde 2003. Assessora da Reunion des Musees Nationaux, França, para questões de museologia, documentação, pesquisa e conservação de coleções de arte.

n° 43 – Ano XV – Setembro de 2017  →   VOLTAR

Leave a Reply

EDIÇÃO 43

ÚLTIMAS EDIÇÕES

Translate

English English Português Português Español Español