O Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS) abre as portas na próxima terça-feira (2/7), às 10h, com a quarta e última alteração de obras da primeira fase da exposição “Acervo em movimento: um experimento de curadoria compartilhada entre as equipes do MARGS”. Nesta última “virada” da exposição, a cargo do Núcleo de Documentação e Pesquisa e do Núcleo de Conservação e Restauro, entram em exposição não apenas obras de arte do acervo artístico do museu, como também itens do acervo documental.

No caso da equipe do Núcleo de Conservação e Restauro, as escolhas envolveram obras do acervo do museu que passaram por processos de restauração no MARGS. Após uma primeira seleção, foram escolhidas ao final sete obras, cujo conjunto representa, nas palavras da restauradora Naida Corrêa, “o esforço contínuo do museu em recuperar e preservar o patrimônio histórico artístico e cultural”. Entre elas, destacam-se as de nomes fundamentais da história da arte no Rio Grande do Sul, a exemplo de Ado Malagoli, João Fahrion, Iberê Camargo e Pedro Weingärtner. Além destes, entram também na exposição outros nomes importantes, a exemplo dos brasileiros Bustamante Sá, Henrique Bernardelli e do francês Jean-Paul Laurens.

Já por parte do Núcleo de Documentação e Pesquisa, as escolhas priorizam publicações e livros de artistas, com o objetivo de dar visibilidade a estes segmentos que integram os acervos do MARGS. Nas palavras da coordenadora do Núcleo, Maria Tereza de Medeiros, “com o conceito escolhido para esta nossa curadoria, procura-se criar um diálogo entre os acervos do museu, ou seja, o documental e bibliográfico com o acervo de obras de arte”.

 

Lista de documentos:

Uma vitrine com livros de artista e álbuns do acervo artístico.

Uma vitrine com documentos sobre o MARGS, como a cópia do decreto de fundação, fotos da inauguração da sede do museu no foyer do Theatro São Pedro e na Praça da Alfândega, cartas e documentos de artistas, como Christina Balbão, Iberê Camargo, Ado Malagoli e Plínio Bernhardt.

Um display com a obra “Truco”, de Jailton Moreira, objeto múltiplo produzido em 2014, e que na exposição é apresentado com uma versão para ser contemplada e outra, emprestada pelo artista, para que o público possa manusear. Livros de Artista e álbuns do Acervo do MARGS:

Alexandra Eckert – Série “Livro Faca de Corte, coração – Coração volume l – Tomo V” (2000).

Carlos Scliar – Álbum “Caixas 1” (1967).

Farnese de Andrade – Álbum “Fecundação” (1968).

Jean Baptiste Debret – “Viagem pitoresca e histórica ao Brasil”, com aquarelas e desenhos que não foram reproduzidos na edição de Firmin Didot – 1834 (1953-1955).

José Lutzenberger – Álbum “O Gaúcho – I: Gaúcho Antigo no Rio” (sem data).

Mario Röhnelt – “Galerias” (2013).

Vasco Prado – Álbum ““Dom Quixote de La Mancha” (1986-87).

Waltercio Caldas – “O Colecionador” (1974).

Leave a Reply