Denise Mattar assina a curadoria de “TOYOTA – O Ritmo do Espaço”

A exposição “TOYOTA – O Ritmo do Espaço” resgata o percurso do artista Yutaka Toyota. Com curadoria de Denise Mattar, a mostra chega ao Museu de Arte Brasileira (MAB FAAP) depois ter sido apresentada no Rio de Janeiro. A abertura em São Paulo será neste sábado (23 de junho de 2018), das 15h às 18h.

A seleção curatorial apresenta cerca de 80 obras, reunindo trabalhos desde os anos 1960. A exposição traz uma recriação da instalação imersiva “Quarto Escuro”, presente na X Bienal de Arte de São Paulo, e obras premiadas no Panorama do Museu de Arte Moderna de São Paulo, na década de 1970. Além disso, apresenta obras pertencentes a acervos de instituições como Museu de Arte Contemporânea de Niterói, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Palácio Itamaraty, Coleção Roberto Marinho e também de importantes coleções particulares. Dentro do núcleo histórico, tem destaque um ensaio fotográfico realizado por Alair Gomes sobre a obra do artista.

Os visitantes também terão a oportunidade de ver painéis das obras públicas de sua autoria, realizadas entre os anos 1980 e 2010, no Brasil e no Japão, e esculturas recentes, de grandes dimensões, concebidas pelo artista especialmente para a exposição.

A escolha do MAB FAAP para a apresentação da mostra em São Paulo reflete uma antiga parceria de Toyota com a Instituição, que tem em seu campus algumas obras monumentais do artista, integradas ao dia a dia dos alunos. Coincidentemente, ela chega à cidade no mês de comemoração pelos 110 anos da Imigração Japonesa no Brasil.

Percurso Artístico

Em 1969, Toyota apresentou na X Bienal de São Paulo uma das mais comentadas e premiadas participações da mostra: um conjunto de obras que convocava o espectador a interagir e uma instalação que hoje seria chamada de “imersiva”. Os trabalhos despertaram a atenção do público e da crítica, refletindo a permanência do artista por três anos na Itália, período no qual participou de algumas das mais emblemáticas exposições dos cinéticos, ao lado de Lucio Fontana, Bruno Munari, Vasarely e Le Parc.

Nascido no Japão em 1931, Toyota chegou ao Brasil no fim da década de 1950 e naturalizou-se brasileiro em 1971. Começou sua carreira como pintor, logo recebendo alguns dos mais importantes prêmios do circuito de arte brasileiro, como o do Salão Esso, em 1965, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, que o levou à Itália. A partir daí, voltou-se para a escultura, e suas obras adquiriram características óticas, cinéticas e imersivas – partido que adota até hoje. Aos 86 anos, Toyota continua em pleno vigor criativo, sendo um dos raros escultores brasileiros a dominar a relação escala/espaço, essencial para a criação de obras ao ar livre. Não por acaso, ao longo dos anos, ele semeou mais de cem obras públicas entre o Brasil e o Japão.

Durante mais de sessenta anos, o artista criou milhares de obras entre desenhos, gravuras, pinturas, instalações, painéis escultóricos e esculturas de todos os tamanhos, desde pequenos múltiplos a imensos monumentos. Aos 15 anos, recebeu, em Yamagata, o primeiro prêmio de pintura no Salão de Jovens Artistas. Na ocasião, o crítico japonês Atsuo Imaizumi lhe disse: “mantenha sempre as mesmas ideias e perguntas interiores. Assim, encontrará sua verdadeira arte e produzirá obras verdadeiramente suas, obras originais”. E foi o que ele fez. O que interessa verdadeiramente para Toyota é a conexão entre o homem e o universo. Para ele, a cultura ocidental responde a essa questão por meio da física quântica, e a oriental por meio da espiritualidade. Ambos os significados estão no trabalho do artista.

Yutaka Toyota faz parte do grupo de artistas que, na década de 1960, decretou o fim da pintura de cavalete e da escultura figurativa, convidando o público a participar de novas experiências estéticas, interativas e sensoriais. Sua obra convoca dualidades: positivo-negativo, visível-invisível, sólido-evanescente, volume-leveza. As múltiplas possibilidades do reflexo são a matéria-prima da qual Toyota se utiliza para ”compreender o significado do espaço”.

Participação na X Bienal de Arte

Em 1969, Yutaka Toyota participou na X Bienal de São Paulo, ocupando três salas. Utilizando acrílico e luz negra com uma tinta especialmente desenvolvida para ele (que na época não existia aqui), o artista criou uma cabine pintada de preto, que chamou de “Quarto Escuro”. Quando o espectador entrava nesse ambiente, mergulhava em uma experiência ótica produzida por duas formas transparentes em movimento, uma esfera e um cubo sobre as quais era projetada uma luz negra criando efeitos cinéticos. Segundo Toyota, em reportagem da época: “o espaço situa o visitante no limite entre o positivo-negativo, entre o real-irreal, no momento aqui e agora”. No outro ambiente, “Espelho”utilizou duas grandes madeiras côncavas, uma verde e outra vermelha, e um espelho esfumaçado. Ao entrar, o visitante via apenas um espelho e sua imagem refletida e acabava fazendo caras, bocas, caretas, etc. Entretanto, ao passar por trás, percebia que agora podia ver as pessoas que estavam à frente do espelho – o que indicava que também tinha sido visto. No espaço seguinte, havia uma esfera listrada, branca e preta, “Positiva e Negativa”, girando sobre uma superfície de aço inoxidável polido, criando formas que remetiam a um infinito movimento. Sua comunicação com o público era intensa, surpreendente, e o reconhecimento da crítica se fez por meio de muitas matérias positivas, reiterando a nova visão que sua obra trazia para a arte brasileira. Toyota recebeu também duas premiações: o Prêmio Itamaraty e o Prêmio Banco de Boston.

Uma recriação de “Quarto Escuro” e da obra “Positiva e Negativa”, pertencente ao Itamaraty, integram a exposição na FAAP.

 

TOYOTA – O Ritmo do Espaço 
Inauguração: 23 de junho, das 15h às 18h
Período de visitação: de 24 de junho a 02 de setembro de 2018
Horário: segunda, quarta, quinta e sexta-feira, das 10h às 19h, última entrada às 18h; aos sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h, última entrada às 17h.
(Fechado às terças-feiras, inclusive quando feriado)
Local: MAB FAAP
Endereço: Rua Alagoas, 903 – Higienópolis – São Paulo – SP, 01242-902
Informações: (11) 3662-7198
Agendamento de visitas educativas: (11) 3662-7200
Entrada gratuita

 

Fonte: http://www.faap.br/exposicoes/toyota/index.asp

Leave a Reply